FOLCLORE

Cabra Cabriola


Este ser é considerado o mais tenebroso das lendas, o mais assustador e perigoso.

Cabra Cabriola

A assombrosa lenda da Cabra Cabra-cabriola faz parte do folclore brasileiro. Este ser é considerado o mais tenebroso das lendas, o mais assustador e perigoso.

Se alimenta de carne humana, mas não de qualquer carne humana, e sim de crianças, não qualquer criança, somente as malcriadas, choronas, traquinas, mimadas e respondonas...crianças que não respeita os pais nem os mais velhos. Quanto mais tiverem estes maus adjetivos, mais a carne da criança é macia e suculenta. A Cabra Cabriola, este nefasto ser, não resiste e as devora inteira.

Seu aspecto é mostruoso, sua aparência lembra uma cabra ou bode, mas ele não é, nem uma coisa, nem outra, anda apoiado em dois pés, passa o dia escondido em meio a caatinga fechada do sertão, a espera do seu jantar.

Sempre com fome, vaga no silêncio da noite, principalmente em noite de lua-nova, onde a escuridão permeia. Se tem notícia deste ser nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe e norte do estado de Minas Gerais. O único estado nordestino onde não se tem notícia da Cabra Cabriola é o Maranhão.

Verso sobre Cabra Cabriola:

“Tem um faro que parece um radar, sete léguas de distância onde pode farejar, crianças mal criadas para jantar, para seus poderes aumentar.”

Também conhecido como bicho papão, é a personificação do medo, e do mal. No século 19, a Cabra Cabriola era tema de uma canção de embalar. A seguir, alguns trechos da canção:

"Cabra cabriola
Corre serras, corre vales, corre montes
Corre meninos e meninas aos montes
Se for malcriado, não adianta chorar
A Cabra Cabriola vem lhe pegar".


Data do final do século 19 e inicio do 20, onde lenda da Cabra Cabriola, afirma que ele se alimenta exclusivamente de crianças que desobedeciam aos mais velhos.

Diz, ainda, que esse animal monstruoso invadia as casas à noite, em busca de crianças travessas. De acordo com a lenda no Seridó, o ser, ao entrar nas casas, cantava este verso:

“Eu sou a Cabra Cabriola, o bicho papão
Não como tapioca, nem pão,
Agora vou devorar sua mão,
Não adianta correr,
Não adianta chorar,
Sua carne vou devorar,
Nem um pedacinho vai ficar.”

Ninguém pode lhe salvar…
Pois um encanto acabei de jogar
Seus pais só vão acordar,
Quando o sol nascerá...háaaahaha...


É um ser com poderes sobrenaturais, e a carne dos malcriados lhe consedem mais poder...Ele já sabe qual criança vai devorar, antes de entrar na casa. Jogam um encanto nos pais e adultos que habitam a casa, que faz dormir profundamente, por mais que a criança chore ou grite, ninguém acorda, o encanto paralisante dura à noite toda. Os pais só sabem do mal acontecido pela manhã, quando nasce os primeiros raios de sol, é quando o encanto perde o efeito.

As crianças ficavam tão assustadas que não saíam de perto das mães, ao escutarem qualquer ruído estranho perto da casa. A lenda dizia que a Cabra Cabriola é astuta como uma raposa, díficilmente é vista, e que tem um mau cheiro terrível.

Em casa de menino obediente, bom para a mãe, que não mijasse na cama e não fosse traquino, a Cabra Cabriola não passava nem perto. Para ele, a carne da criança não é boa.

Quando no silêncio da noite, alguma criança chorava, diziam que a Cabriola estava devorando algum malcriado. O melhor nessa hora era rezar o Pai Nosso e fazer o Sinal da Cruz.

Só existe uma exceção onde a Cabra Cabriola ataca um adulto, é se você entrar na mata (caatinga) e por profundo azar, se deperar com ele vagando. Ele mata, mais não os devora. Ele é nômade, ou seja, vive a vagar a procura de crianças traquinas para devorar.

Um adulto encontrar a Cabra Cabriola na mata, é um acontecimento muito raro, mas sempre mortal para o ser humano.

Se um dia acontecer com você...Nunca olhe nos olhos do ser, reze em silêncio...e seja o que Deus quiser!

Fonte: Redação OpenBrasil.org
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org

Folclore - OpenBrasil.org