FOLCLORE

Mapinguari


Dentro da floresta vive um monstro gigante e com uma fome insaciável. Tem um único olho no topo da cabeça, e uma boca enorme na sua barriga, suas mãos têm longas garras afiadas. É um monstro da Amazônia que mata quem está perdido e assusta com seu grito.

Mapinguari

O Mapinguari é o mais popular dos monstros da Amazônia. Seu domínio estende-se pelo Amapá, Pará, Amazonas e Acre.

Caçadores e trabalhadores de todos os ofícios citam o Mapinguari como um verdadeiro demônio do Mal. É um matador por natureza.

Por isso mesmo, Mata sempre, com singular precisão, infalivelmente, obstinadamente, quem encontra pela frente. Mata para comer. Descrevem-no como um homem agigantado, boca na barriga, mãos compridas, garra afiadas, fome insaciável, ou "canina" como é conhecida uma fome de tamanha envergadura.

O Mapinguari, ao contrário de outras entidades fabulosas, não anda durante a noite. Durante a noite, dorme. O perigo é de dia, a penumbra no meio das florestas fechadas que mal deixam passar a luz do Sol. Na obscuridade dos troncos de muitas formas o Mapinguari se destaca, surge bruscamente, para atacar e ferir. Mas não avança silencioso como seria a lógica. Vem berrando alto, gritos soltos, curtos, horríveis, que deixam suas vítimas atordoadas, sem ação.

De longe os homens ouvem seus apelos terríveis. E fogem, sem olhar para trás. É como se o Mapinguari estivesse desafiando os corajosos para um encontro supremo, face a face. Esses gritos roucos e contínuos explicam os rumores naturais que a floresta produz e não se consegue de forma sensata explicá-los. Assim, sem uma explicação lógica para os muitos e difusos barulhos e murmúrios da densa e misteriosa mata, os homens logo atribuem ao Mapinguari tal repertório sonoro.

Fonte: Mário Guedes - Os Seringais, - 1920 / sitededicas.ne
Foto: Naorú


Folclore - OpenBrasil.org