FOLCLORE

Boitatá ou Cobra de fogo


Também conhecido como "fogo que corre", o boitatá, no folclore brasileiro, é uma grande cobra de fogo

Este bicho imaginário foi citado pela primeira vez em 1560, num texto do padre jesuíta José de Anchieta. Na língua indígena tupi, "mboi" significa cobra e "tata" fogo.

A lenda no Norte e Nordeste

De acordo com a lenda, o boitatá protege as matas e florestas das pessoas que provocam queimadas. O boitatá vive dentro dos rios e lagos e sai de seu "habitat" para assombrar e queimar as pessoas que praticam incêndios nas matas. De acordo com esta lenda, o boitatá possui a capacidade de se transformar num tronco de fogo. Este animal passa grande parte do tempo rastejando pelas florestas na escuridão da noite, pois é uma alma penada que deve pagar seus pecados desta forma.

A lenda no Sul

Numa lenda do sul do Brasil, a explicação para o surgimento da cobra de fogo está relacionada ao dilúvio (história bíblica que fala sobre a chuva que durou 40 dias e 40 noites). Após o dilúvio, muitos animais morreram e as cobras ficaram rindo felizes, pois havia alimento em abundância. Como castigo, a barriga delas começou a pegar fogo, iluminando todo o corpo.

Curiosidades sobre a lenda

- Algumas versões da lenda contam que se uma pessoa estiver colocando fogo na floresta e encontrar com o boitatá pela frente, terá uma terrível consequência. Poderá morrer, ficar cego ou até mesmo enlouquecer.

- De acordo com a lenda, o fogo que sai da boca do boitatá é mágico, por isso ele não queima as árvores e plantas das florestas. Pelo mesmo motivo, ele também não se apaga quando a criatura folclórica encontra-se dentro da água.

- No Nordeste brasileiro o boitatá é também conhecido como "fogo corredor".

- Correr desta cobra de fogo não é a melhor saída. Contadores da lenda dizem que a solução ideal é ficar parada, de olhos fechados e com a respiração parada.

Fonte: Página 3 Pedagogia & Comunicação / Sua pesquisa
Foto: Joe Santos/Guerreiros Folclóricos


Folclore - OpenBrasil.org